Etios XLS 1.5 Automático, o teste da semana

O novo objeto do desejo pra quem procura um carro econômico e bem equipado também faz parte da história de outra gigante japonesa

Texto: Eduardo Abbas
Fotos: Toyota / NGK

A admiração pela determinação e a garra do povo japonês não se resume, pelo menos para mim, nos seus produtos de qualidade comprovada e na constante evolução, esse povo de olhos fechados e mente aberta não dispensa o cuidado com seu semelhante, tudo que fazem é voltado pra o bem estar do homem.


Certamente você nunca vai ver alguma coisa mais ou menos ou até um “quebra galho” feita por eles, tá certo que a perfeição não existe, mas trabalham muito próximos disso em todos os setores que se comprometem a fazer e até mesmo criar. Foi pensando assim que nasceu o novo modelo 2018 de um automóvel que nasceu e alguns menos avisados torciam o nariz, mas agora ele começa a agradar muito os consumidores exigentes e deixa seus proprietários mais felizes: O Etios nasceu compacto para ser grande!


Durante dez dias eu pude desfrutar (sim, a palavra é essa!) de mais uma avaliação com o modelo topo de linha que agora mais parece um Corolla em versão compacta, o Etios XLS 1.5 Automático é um desses carros para se amar incondicionalmente. Ele está de cara nova e design externo renovado, mostrou uma prévia nas versões Ready e Platinum e agora equipa toda a linha, tem um novo desenho na frente, novos pára-choques dianteiros, traseiros e uma nova grade.


E lá vamos nós testar o valente sedã nas ruas de São Paulo, a cidade vive aquele momento peculiar entre o fim do outono e começo de inverno quando os carros abastecidos com etanol começam a ficar mais chatos nas frias manhãs paulistanas.


No caso do Etios, essa dificuldade ou mau humor matinal não existe, o motor 1.5L Flexfuel, Dual VVT-i DOHC de 16 válvulas, que rende 107 cv de potência a 5.600 rpm com etanol e 102 cv a 5.600 giros com gasolina, tecnologia de duplo comando de válvulas variável Dual VVT-i da Toyota não precisa do tanquinho de gasolina, ele te informa no display do painel quando está pronto para a partida sem crises nem demora, uma tecnologia que só facilita a vida.


O conjunto mecânico é premiado com o câmbio automático de 4 velocidades, aquele mesmo que o Corolla usava antigamente, mas o diferencial dessa transmissão é o software de gerenciamento AI Shift Control (Inteligência Artificial de Controle de Trocas, na tradução livre) que é capaz de analisar a condição de uso do veículo (ladeiras, trânsito etc.), a posição do pedal do acelerador e assim selecionar e manter a marcha mais adequada para cada situação de condução.


Isso melhora muito o consumo, quem acha que não dá pra esperar economia de combustível com carro automático desta vez quebrou a cara: segundo dados do computador de bordo, com três pessoas, ar condicionado ligado e andando na velocidade das vias, fiz uma média de 8,9 km/l dentro da cidade, lembre-se, estamos falando de um carro com motor 1.5!


Com seu tamanho compacto, fazer manobras e andar pelas faixas nem sempre generosas nas avenidas da cidade não é um grande desafio, a visibilidade externa é muito boa por causa dos vidros de tamanho generoso, a posição do motorista permite um ajuste dos espelhos que apenas com um leve movimento de cabeça te mostra toda a situação em volta do carro. Dirigir é um prazer, a direção elétrica permite fazer as temidas balizas facilmente, parar em uma vaga de shopping é muito fácil em qualquer sentido: de frente ou de ré. E na hora de colocar as compras dá pra perceber quanto o porta-malas é grande, os 562 litros de capacidade fazem muita diferença para quem tem certa quantidade de bagagem ou gosta de fazer compra do mês.


Já na estrada a conversa é muito diferente, dá para usar mais alguns penduricalhos eletrônicos e seu comportamento varia bastante, hoje é um dia especial porque ele vai me levar para conhecer outra empresa japonesa que chegou ao Brasil um ano depois que a Toyota resolveu atravessar o mundo para se fixar no Brasil e responder pela America do Sul. O destino é a fábrica de velas da NGK em Mogi das Cruzes, próximo 63 km da capital paulista, que era no começo dos anos 60 um local onde a colônia japonesa se instalou com mais pessoas, tanto que ela ganhou uma irmã no Japão: Nagoia.


Resolvi fazer um trajeto menos convencional no caminho para conhecer essa outra interessantíssima história e o caminho para o interior de São Paulo foi um pouco diferente do convencional. Primeiro usando a Rodovia Presidente Dutra, um trecho do Rodoanel Mario Covas e alguns quilômetros da Ayrton Senna / Trabalhadores até a Mogi-Bertioga, esse trajeto contempla rodovias antigas e modernas, com muitas surpresas no caminho para quem utiliza o carro em viagens.


Com o controle de velocidade ligado, o Etios XLS 1.5 Automático chega rapidamente na velocidade limite da rodovia, as trocas de marchas são tão suaves e precisas que nem parece que se trata de um cambio automático convencional. A força do motor 1.5 evita trocas em velocidade cruzeiro, seja em subida ou descida, seu range é grande e a variação que eventualmente acontece quase nem é sentida, o conta-giros não fica variando indefinidamente.


O bom resultado disso é a economia de combustível, nessas condições fiz uma média, segundo dados do computador de bordo, de 11,4 km/l, com três pessoas e ar condicionado ligado. É um sedã muito valente, em alguns momentos até lembra seu primo famoso, o Corolla, e parece que a Toyota agora acertou de vez, esse sim pode ser chamado carinhosamente de Corollinha.


Chegamos ao destino, essa é uma das 18 plantas que a fornecedora de componentes tem no mundo, aliás, uma curiosidade com relação à Toyota: no fim dos anos 50 quando chegaram ao Brasil, ambas eram as primeiras fábricas fora do Japão, foi quase uma coisa daquele amigo que encara com você um novo desafio: se você for eu vou também! A NGK veio, ficou, trouxe a tecnologia da cerâmica que faz diferença entre os concorrentes e para minha surpresa, não são só as velas de ignição que usam esse know how, a empresa também produz revestimentos porcelanizados e cerâmicas técnicas, além de comercializar, por meio da marca NTK, sensores de oxigênio, sensores de detonação e ferramentas de corte.


É uma empresa para se ter orgulho dos números e das grandes conquistas, segundo Marcos Mosso, chefe de marketing “nós crescemos na crise que está em curso no país, não somente pelo fato das pessoas estarem demorando mais para trocarem seus carros e isso demanda manutenção, mas pela qualidade do produto que fabricamos”. Essa qualidade é reconhecida mundialmente, para se ter uma ideia, a NGK está a 50 anos na Fórmula 1 e nos últimos 20 anos é patrocinadora da equipe Ferrari, que está dando um trabalhão esse ano para as Mercedes e equipa as motos em todas as categorias da MotoGP, todos utilizam as velas feitas pelos japoneses, é mole?


A fábrica deu seus primeiros passos na cidade na região central de Mogi, mas em 1975 mudou para uma área de 625 mil m² às margens do rio Tietê, de onde retira água para seus processos industriais e, segundo o consultor técnico Hiromori Mori “devolvemos ela mais limpa do que retiramos, isso faz parte da nossa política de preservação ambiental”. Nesse complexo que tem a vida pulsante de uma cidade trabalham hoje 1.258 funcionários diretos, 890 homens e 368 mulheres responsáveis pela produção de componentes oferecidos ao mercado e que passam por aproximadamente por 150 processos, todos intercalados por diversas checagens eletrônicas e visuais.


Durante o tour pela empresa, pude acompanhar como são fabricados os componentes de ignição e sensores que são referencia no mercado tanto de carros novos como de reposição. Segundo Hiromori Mori, “a unidade brasileira é uma das que também podem exportar inclusive para o Japão, fabricamos aqui 6.300.000 velas de ignição por ano além de outros componentes em máquinas e equipamentos que foram desenvolvidos pelo setor de engenharia da NGK para suprir as nossas necessidades na produção”.


A NGK é a fornecedora de componentes para quase todas as montadoras instaladas no Brasil, tem uma forte presença no aftermarket e segundo Marcos Mosso, é um local onde as pessoas gostam de trabalhar: “fizemos um levantamento e constatamos que a média de tempo que os empregados permanecem na empresa é de 11 anos, a média de idade gira em torno dos 38 anos e isso é muito bom, significa que todos que aqui trabalham estão empenhados em fazer o melhor durante os três turnos diários, 7 dias por semana, todos os dias do mês, 365 dias do ano, aqui não dá para pensar em parar!”.


Com um lineup de produtos como cabos, sondas, bobinas, 5 tipos de velas inclusive as moderníssimas de Iridium, a empresa se orgulha também de formar profissionais fora de seus domínios. Um programa oferece a distribuidores, varejistas e reparadores automotivos, cursos e palestras técnicas presenciais e online, ao todo mais de 350 mil profissionais já foram treinados pela empresa em seus 57 anos de atuação no País.


Depois de conhecer mais uma empresa japonesa que marca fortemente sua presença no Brasil, hora de voltar para casa e terminar a avaliação do Etios XLS 1.5 Automático na estrada, agora fazendo um caminho mais rápido e que vai exigir mais desempenho do modelo. Optei por usar a Rodovia dos Trabalhadores / Ayrton Senna o tempo todo, a velocidade da via é mais alta e por isso posso sentir o comportamento do carro e se ele transfere algum tipo de cansaço para quem dirige nessas condições durante muito tempo.


Evitei nesse caso o uso do controle de velocidade, fiz o trajeto de mais de 60 km utilizando a sensibilidade do pé no acelerador ficando sempre ligado no tráfego ao redor. Mesmo nessas condições mais “manuais” quase não existe troca de marchas, o desempenho é muito bom e quem dirige se sente muito seguro tanto nas manobras quanto nos momentos críticos, quer seja em ultrapassagens ou mesmo quando algum motorista resolve cortar sua frente. Fiz a maior parte do trecho perto da velocidade limite de 120 km/h, usei em algumas oportunidades fortemente os freios e pude sentir que o carro, mesmo nessas condições, mantém as características de dirigibilidade como se estivesse em velocidade menor.


O Etios XLS 1.5 Automático é mais um que faz parte do Ciclo Toyota, tem 3 anos de garantia, revisões com preço fechado, assistência 24 horas, preço sugerido nessa versão de R$ 65.180 e a certeza de sossego quando se trata de veículos da marca, e pode ter certeza que hoje está mais integrado ao Brasil, lugar onde as duas gigantes nipônicas que chegaram quase de mãos dadas resolveram investir para se tornarem mais fortes. E deu certo!


Ficha Técnica

Motor/Performance
Motorização:
1.5

Alimentação
Injeção multi ponto

Combustível
Álcool
Gasolina

Potência (cv)
107.0
102.0

Cilindrada (cm3)
1.496
N/D

Torque (Kgf.m)
14,7
14,3

Velocidade Máxima (Km/h)
186
N/D

Tempo 0-100 (Km/h)
11.3
N/D

Consumo cidade (Km/L)
8.4
12.2

Consumo estrada (Km/L)
10.4
14.9


Dimensões
Altura (mm)
1510
Largura (mm)
1695
Comprimento (mm)
4369
Entre-eixos (mm)
2550
Peso (kg)
1029
Tanque (L)
45.0
Porta-malas (L)
562
Ocupantes
5

Mecânica
Câmbio
Automática de 4 marchas
Tração
Dianteira
Direção
Elétrica
Suspensão dianteira
Suspensão tipo McPherson e dianteira com barra estabilizadora, roda tipo independente e molas helicoidal.
Suspensão traseira
Suspensão tipo eixo de torção e traseira com barra estabilizadora, roda tipo semi-independente e molas helicoidal.
Freios
Dois freios à disco com dois discos ventilados.

Itens de Série
Integração Móvel.
Airbags 2.
Navegação via celular.
Controle de aplicativos.
Tela com multi-funções tela sensível ao toque e 1.
Conexão externa para entretenimento inclui tomada com entrada auxiliar, inclui conexão USB e conexão HDMI frontal.
Bluetooth inclui telefone.
Portas motorista, atrás do motorista, passageiro, atrás do passageiro e abertura à frente.
Chave ou cartão inteligente manual.
Preparação isofix.
Consumo de combustível secundário: 12,2 e 14,9.
Distribuição eletrônica de frenagem EBD.
Estepe em ferro e de tamanho reduzido.
Rodas dianteiras e traseiras em liga leve 15 com 5,5pol de largura.
Vidros elétricos na dianteira com acionamento em um só toque, vidros elétricos na traseira.
Limpador do pára-brisa com intermitência fixa.
Vidros verdes.
Vidro traseiro fixo com anti-embaçante.
Retrovisores das portas do motorista e passageiro com ajuste elétrico na pintado e luzes indicadoras.
Retrovisor interno.
Ar condicionado.
Transmissão automática com quatro velocidades no assoalho.
Suspensão tipo McPherson e dianteira com barra estabilizadora, roda tipo independente e molas helicoidais, suspensão tipo eixo de torção e traseira com barra estabilizadora, roda tipo semi-independente e molas helicoidais.
Compartimento refrigerado porta luvas.
Direção Assistida proporcional à velocidade e tipo.
Volante de direção com ajuste de altura multifuncional.
Banco traseiro com capacidade para três lugares, encosto em uma peça, com assento inteiriço e voltado para frente.
Bancos dianteiros individuais, sem ajustes para motorista, manual, manual e manual, bancos dianteiros individuais, sem ajustes para passageiro, manual e manual.
Descansa braço dianteiro central.
Revestimento dos bancos em material principal do banco.
Cintos de segurança traseiros no assento do motorista, cintos de segurança traseiros no assento do passageiro, cintos de segurança traseiros tipo 3-pontos no assento central.
Cintos de seguranca no assento do motorista e do passageiro com pré-tensionador.
Com ajuste na altura nos bancos dianteiros, três apoios de cabeça com ajuste na altura nos bancos traseiros.
Airbag dianteiro para motorista e passageiro.
Pintura metálica.
Alarme.
Travamento central remoto.
Pneus: dianteiros, traseiros, 185 x 60 H e 88.
Faróis de neblina dianteiros.
Faróis de superfície complexa, lâmpada halógena e Halógeno.
Acabamento de luxo com imitação de alumínio na alavanca de câmbio e piano preto no painel nenhum.
Computador de bordo com velocidade média e consumo médio de combustível.
Conta-giros.
Dois hodômetros parciais.
Painel instrumentos Tela TFT.
Tração dianteira.
Capacidade de carga: banco traseiro normal - até altura dos vidros (litros): 562 e medida do fabricante.
Espelho de cortesia para motorista e passageiro.
Luz no porta malas.
Piloto automático.
Pára-choques dianteiros e traseiros.
ABS.
Dois freios à disco com dois discos ventilados.
Acabamento cromado.
Tomada com saída 12v dianteira.
Controle de áudio montado no volante.
Equipamento de som AM / FM, Tela Sensível ao Toque e Tela Colorida.
Quatro alto-falantes.
5 assentos com configuração 2+3.
Carroceria com quatro portas tipo sedan entre eixos curto.

Galeria de fotos

Etios 2018 Sedã
Eduardo Abbas. Tecnologia do Blogger.