INSTITUCIONAL: Crescendo na crise

Com uma proposta e administração ousadas, o Banco Mercedes-Benz comemora seu melhor desempenho

Texto: Eduardo Abbas
Fotos: Banco Mercedes-Benz

Às vezes é preciso sair um pouco da casinha e buscar novas idéias para poder superar obstáculos, 2016 foi um tremendo tsunami na vida de todos, principalmente dos bancos ligados às montadoras que, tiveram no ano passado, uma das piores marcas em produção e vendas de veículos automotores.


No último mês de 2016 ele conseguiu atingir a marca de R$ 174 milhões em novos negócios, acréscimo de 19% maior que em dezembro de 2015, com isso conquistou o primeiro lugar no ranking de liberação de repasses do Finame entre as instituições financeiras, foi um crescimento também alavancado por uma enorme queda de seus concorrentes diretos, afinal de contas é a máxima da vida, para se ter um vencedor é preciso também ter um perdedor.


E qual é a fórmula secreta? Não existe um só fator, segundo o presidente do Banco Mercedes-Benz, Bernd Barth, a inovação em tempos de crise é fundamental, houve um enorme investimento em soluções digitais e a garantia da manutenção do bem pelo comprador fez a grande diferença além das modalidades de crédito destinadas ao consumidor final, como CDC (Crédito Direto ao Consumidor), Finame e Leasing Operacional, além de seguros de veículos e prestamista e para a rede de concessionárias, o Floorplan (financiamento para gerenciar seu estoque) e capital de giro.


Segundo ele, os ônibus fizeram a grande diferença, somaram R$ 461,5 milhões, volume 62,2% superior ao registrado em 2015, quando o total foi de R$ 284,8 milhões. Eu perguntei ao Bernd: “esse aumento nas vendas de ônibus estava ligada à realização dos Jogos Olímpicos?”. Segundo ele: “os jogos não ajudaram em quase nada porque a concentração foi na cidade do Rio de Janeiro, o nosso crescimento foi em todo o país, portanto não houve um grande impacto por conta do evento.”.


E o que esperar de 2017? Bernd acredita que a economia terá uma leve retomada em comparação ao ano de 2016, nada muito forte nem muito fraco, no segundo semestre a melhora do mercado deve ser notada com mais clareza por conta de vários fatores, entre eles a nova safra agrícola, que historicamente sempre melhora a economia e esse ano não deve ser diferente.


Claro que boas notícias são sempre bem vindas, principalmente de agências internacionais de avaliação, o Banco Mercedes-Benz detém o rating AAA, a mais alta nota concedida pela Fitch, uma das três grandes maiores do mundo na classificação de risco de crédito. Essa instituição avalia periodicamente a situação financeira de bancos, empresas e países e no caso reflete a menor expectativa de risco de crédito, isso que dizer que o Banco Mercedes-Benz tem elevada capacidade de pagamento de seus compromissos financeiros.
Não foi um infeliz ano velho, mas provavelmente será um ótimo ano novo, como em todas as competições que conhecemos, sair na frente sempre dá vantagem, e isso é uma constante com esses alemães.
Eduardo Abbas. Tecnologia do Blogger.