Produtor do Paraná abastece veículo com biocombustível feito de dejetos de animais

Dejetos de aves e bovinos produzem o biogás, que é transformado em energia veicular usada em propriedade de Santa Helena, no oeste do Estado

Texto e fotos: Itaipu Binacional

O alto custo da gasolina deixou de ser uma preocupação para o produtor rural André Haacke, da Granja Haacke, em Santa Helena, no oeste do Paraná. Há um mês, ele adaptou o veículo de passeio usado pela família, uma caminhonete modelo Hilux, e abastece o automóvel com biometano. O biocombustível é feito a partir dos dejetos de animais em uma biorrefinaria, que funciona na própria propriedade e é mantida pelo CIBiogás (Centro Internacional de Energias Renováveis- Biogás).


O biocombustível é o mesmo fornecido para o abastecimento de 47 veículos que fazem parte da frota da Itaipu Binacional. A qualidade do biometano atende à regulamentação da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), com pureza superior a 96,5%.


De acordo com André, o processo de adaptação do veículo foi rápido e fácil e a economia faz a diferença na hora de abastecer. Com o uso da gasolina, o veículo apresentava um consumo médio de um litro de gasolina para cada seis quilômetros; com o do biometano, a cada mil quilômetros rodados ele deixa de gastar aproximadamente R$ 600. “Como já temos o biometano disponível na nossa propriedade, compensa muito. E também pelo desconto que temos no IPVA”, conta.  A redução no imposto para veículos movidos a gás natural veicular (GNV) é de 75%.
A diminuição nos gastos não foi a única motivação da família. O uso do biometano reduz em 90% a emissão de gases poluentes em comparação com a gasolina. “Se cada um fizer a sua parte, podemos construir um mundo mais sustentável”, afirma o produtor rural Nilson Haacke, pai de André.


Na Granja Haacke, há três anos, os dejetos de 84 mil aves poedeiras e 750 bovinos de corte são encaminhados para um biodigestor, que realiza a digestão anaeróbia da biomassa residual – produzindo diariamente a média de 1.500 m³ de biogás. Desse total, 30% é usado para gerar a energia elétrica que abastece o sistema automático de refrigeração das aves, além do embalamento e limpeza de ovos. O restante é empregado na geração de biometano, suficiente para abastecer uma frota com 54 veículos.
Eduardo Abbas. Tecnologia do Blogger.