LANÇAMENTO - TSI, o melhor motor da Volkswagen

Com um lançamento triplo, a montadora alemã amplia sua oferta do motor mais moderno em modelos de públicos diferentes

Texto: Eduardo Abbas
Fotos: Volkswagen / Pedro Danthas

Pesquisa, uso de novos materiais, produção mais moderna e resultados fantásticos, essa foi sempre a história da Volkswagen do Brasil, uma montadora que prima pela inovação de seus produtos e sempre surpreende quando se trata de apresentar aquela parte mecânica que vai abalar os concorrentes.


Desde o surgimento da linha de motores TSI, não se tinha duvida que tratava-se da maior evolução da relação peso/potência com ótimos resultados, são motores leves e que colocam a serviço do usuário uma cavalaria de respeito. A globalização desse propulsor permite que vários modelos sejam equipados como motores dessa família, ampliando assim a grande oferta em vários segmentos do line-up que a Volkswagen possui.


Eu fui convidado para o lançamento aqui no Brasil de três modelos que usam dois tipos de TSI: os de 4 e 3 cilindros que podem ser Total Flex ou apenas gasolina, seguindo o conceito da geração: fazer mais com menos, ou seja, o downsizing é a palavra da vez. Pude testá-los separadamente, cada um em uma condição de utilização diferente, o mais nervoso de todos pude avaliar na pista de testes da Pirelli em situação excelente criada pela montadora.


Como o tamanho do evento é proporcional ao tamanho na empresa no Brasil, vou detalhar cada um deles separadamente, mas sem esquecer que não basta montar carros, a Volkswagen se preocupa também com a formação de seus profissionais e até mesmo daqueles que divulgam seus produtos. Os jornalistas que participaram deste evento foram gentilmente agraciados com um workshop sobre Mídias Digitais, muito influentes nos dias de hoje, arrastam uma imensa audiência e atingem setores da sociedade que são importantes para o conhecimento de novos produtos.


Os maiores administradores dessas redes, Facebook e Google, enviaram profissionais que mostraram outro lado desse admirável mundo novo e colocaram em nossas cabeças aquela semente que transforma o mundo que vivemos. Foram argumentações importantes principalmente no que diz respeito aos antigos paradigmas que estamos acostumados e que precisamos nos atualizar, a seleção natural agora passa pelos computadores e celulares, os olhos que enxergam o mundo hoje são muito diferentes daqueles que assistiam televisão passivamente há uns 20 anos atrás.


Nessa onda de conhecimento, que até fez lembrar uma frase de meu saudoso pai “aprenda sempre, saber não ocupa espaço” nada melhor que receber também boas notícias vindas da montadora. Depois de um período de paralisação da produção, a mesma foi retomada com força total, segundo o presidente da filial brasileira, David Powels, em outubro e novembro serão montados 50 mil carros por mês, voltando assim à normalidade que antecedia a crise.


Também foi apresentado o novo slogan que vai nortear as novas campanhas: “Volkswagen, inspirada na sua vida uma iniciativa que vai promover o conhecimento de quem teve ou terá um automóvel da marca, essas histórias são o maior bem que uma empresa pode ter em seu currículo, é uma abordagem muito inteligente e interessante.


Voltando aos carros, é chegado o momento de se testar o que vai fazer parte da vida das pessoas ainda este ano. O primeiro modelo que avaliei foi o Volkswagen Golf Variant 2017, uma Station Wagon equipada com motor 1.4 TSI Total Flex em suas duas versões: Comfortline e Highline.


É um carro classudo, de linhas suaves e jeito de invocado, as rodas de liga leve, que também é nova para a linha 2017, dão um ar mais esportivo ao modelo. O motor de 150 cv (etanol e gasolina) tem torque máximo de 25,5 kgfm (250 Nm), transmissão automática de 6 velocidades com função Tiptronic, vai de 0 a 100 km/h em 9,1 segundos e alcança 207 km/h de velocidade máxima.


O modelo montado no México apresenta nos itens de conforto e segurança sete airbags, controle de tração (ASR), controle de estabilidade (ESC), bloqueio eletrônico do diferencial (EDS e XDS) distribuição eletrônica de frenagem (EBD), faróis de neblina com luz de conversão estática, sistema Isofix com top tether, Sistema de Frenagem Automática Pós-Colisão, sistema Star/Stop, direção elétrica, ar-condicionado, vidros com acionamento elétrico, sistema de infotainment “Composition Media” com tela sensível ao toque de 6,5”, travamento central, sistema “Hill Assist”, sensores na dianteira e na traseira (“Park Pilot”) e retrovisores externos com ajuste elétrico, aquecíveis, com luz de seta integrada (side blinker) e função “tilt down” na versão Comfortline, considerada de entrada.


A versão Highline acrescenta ar-condicionado digital Climatronic com duas zonas, bancos de couro, lanternas de LED, volante multifuncional com controles do computador de bordo e dos sistemas de som e telefonia, sensores de chuva e de luminosidade com “Coming Leaving & Home”, faróis de xenônio, rodas de liga leve de 17”, sistema de infotainment Discover Pro com tela sensível ao toque de 8’ e a tecnologia Volkswagen App-Connect, capaz de realizar o espelhamento de celular nas plataformas Mirrorlink, Android Auto e Google CarPlay.


É um carro para a família, mas também um excelente veículo para o dia-a-dia, não é muito larga porem é espaçosa demais! Cabe tudo e mais um pouco no enorme compartimento de carga, o porta-malas tem 605 litros, rebatendo os bancos fica com 1.620 litros e cabe quase uma mudança, dá para pensar em rodar o país todo levando a casa na bagagem. Isso poderia ser um transtorno na estrada, mas os sistemas eletrônicos de ajuda na condução deixam o carro muito parecido com um sedã, você até esquece que ele tem essa generosa traseira.


Fiz um percurso pré-determinado que contemplava rodovia, avenida de faixas generosas e ruas de transito intenso. O que chama muito a atenção é o isolamento acústico, dentro do carro praticamente não se houve nenhum barulho, nem mesmo das rodas em contato com o asfalto, o silêncio até do ventilador às vezes dá a impressão do ar condicionado estar desligado.


O conjunto mecânico é muito bom, a perfeita harmonia entre motor em câmbio proporciona uma dirigibilidade tranqüila e muito precisa, em velocidades baixas ele sempre procura uma marcha mais alta, que acarreta em uma rotação menor do motor, com isso a economia é grande e o carro não fica gritando como louco. Mas e se precisar acelerar repentinamente? Problema zero, a resposta é rápida e firme, a subida de giros é imediata e os engates tanto para reduzir como para subir retomando a velocidade, quase passam despercebidos pelo motorista. Não preciso dizer que adorei o carro, mesmo se tratando de um modelo que não faz muito meu estilo, mas amigo, se é bom, é bom de qualquer jeito e para qualquer gosto, não é?


Ele ainda conta ainda com sistemas de segurança muito avançados, o “Pro Active” é dessas tecnologias de última geração, caso o sistema detecte uma situação de potencial acidente, os cintos de segurança do motorista e do passageiro da frente são automaticamente pré-tensionados para assegurar a melhor proteção pelo airbag ou quando uma situação de condução altamente crítica e instável é detectada as janelas laterais e o teto solar são fechados. Além dele, e para se evitar esse tipo de situação, o Volkswagen Golf Variant 2017 também é equipado com o ACC – Adaptive Cruise Control, Front Assist, City Emergency Brake, Detector de fadiga, FLA – Front Light Assist e o Park Assist 2.0, para vagas paralelas e também perpendiculares.


Mudando de carro e de gênero, vamos agora voltar ao teste no mesmo trajeto com o Volkswagen Tiguan, que agora tem o motor 1.4 TSI em uma versão que na relação custo-benefício chega 4x2 e câmbio automático DSG de seis velocidades.


Ele, que é montado na Europa, é muito diferente de seu irmão mais forte, vai de 0 a 100 km/h em 9,2 s e velocidade máxima de 195 km/h e é abastecido somente com gasolina. O motor fornece 150 cv, injeção direta de combustível e turbocompressor, é 84 kg mais leve do que a versão 2.0, tem torque máximo é de 25,5 mkgf já disponíveis a 1.500 rpm. É um utilitário esportivo urbano, tem a ótima característica de ser um carro com uma altura generosa que transmite para quem dirige a impressão de ser imponente, poder ver sempre o mundo do alto, por isso as mulheres adoram, nele as ações são subir e descer do carro e isso pode ser feito de saia sem criar constrangimentos.


O Volkswagen Tiguan é um carro impar, de características próprias e tem um modo de dirigir muito particular, não é muito incomodado por buracos ou lombadas e agrega valores importantes para quem usa o modelo na cidade ou na rodovia. Por fora parece pequeno, mas por dentro é confortável e muito sociável, todos os passageiros ficam sentados na mesma altura, ninguém viaja enterrado no banco e isso permite a todos uma visão ampla do que acontece no mundo lá fora.


Claro que este teste exigia companhia e o fiz com um amigo jornalista ao lado, durante o trajeto pudemos conversar tranquilamente sem ser incomodados por qualquer barulho pois outro ponto alto do Volkswagen Tiguan é seu isolamento acústico. Os bancos fornecem ajustes precisos e posicionamentos que permitem, mesmo em casos de entrada em avenidas cujo trânsito se origina da parte direita, uma ótima visão, isso com uma pessoa ao lado.


O modelo tem alguns itens exclusivos como sistema de infotainment Composition Media com a tecnologia Volkswagen App Connect, que permite espelhamento do celular. Na parte de segurança são seis airbags, freios ABS com EBD, bloqueio eletrônico do diferencial (EDS) e controles eletrônicos de estabilidade (ESC) e de tração (ASR), freio eletrônico de estacionamento com função auto-hold, sistema Star/Stop e monitoramento da pressão dos pneus.


De olho no consumo imediato, dá para notar que ele bebe pouco, ideal para cidades congestionadas como São Paulo. A direção elétrica e as rodas de liga leve de 17” ajudam na dirigibilidade e minimizam o consumo, e o controlador de velocidade de cruzeiro permite respeitar os limites sem muita preocupação em se apoiar no acelerador. Refiz o percurso antes percorrido com o Volkswagen Golf Variant 2017, são duas propostas diferentes de automóveis, mas deu para notar que o desempenho de ambos é muito similar, no caso do Volkswagen Tiguan, aquele medo das lombadas e valetas praticamente desaparece.


Os equipamentos incluem ar-condicionado, volante multifuncional com ajuste de distância e profundidade, computador de bordo, sensor de estacionamento, e no “Pacote Elegance”, ar-condicionado Climatronic digital com duas zonas, rodas de liga leve de 18”, sistema Kessy (destravamento das portas por aproximação da chave e partida do motor por meio de botão no console), câmera traseira para auxílio ao estacionamento, sensor de chuva e teto solar panorâmico.


Agora vamos para a jóia da coroa! O motor TSI Total Flex de 3 cilindros e que foi usado inicialmente no up!, agora vai estar debaixo do capô do Golf 1.0 TSI. É na verdade a união de dois sucessos da marca, o motor, agora com potência de 125 cv e torque máximo de 200 Nm (20,4 kgfm) e do modelo, que é um dos mais desejados da marca.


Claro que o teste deste novo conjunto não seria em condições normais de uso nas ruas e estrada, para isso a Volkswagen resolveu ousar e programar uma série de exercícios em uma pista de testes, aí sim companheiro, dá para sentir tudo o que o conjunto mecânico oferece para quem deseja esse carro feroz.


Antes, algumas características técnicas do modelo hatchback médio, fabricado em São José dos Pinhais e que vai estar nas mais de 600 concessionárias da marca a partir de novembro. A versão Comfortline tem câmbio manual de 6 marchas, motor com injeção direta, turbocompressor, acelera de 0 a 100 km/h em 9,7 segundos e atinge a velocidade máxima de 194 km/h, quando abastecido com etanol, é equipado com controle de tração (ASR) e controle eletrônico de estabilidade (ESC) bloqueio eletrônico do diferencial (EDS + XDS) está integrado ao Controle Eletrônico de Estabilidade (ESC) para melhorar a dinâmica do veículo.


Na parte de segurança e conforto, o Golf 1.0 TSI tem cintos de segurança automáticos de três pontos, faróis de neblina com luz de conversão estática, sistema Isofix, sete airbags, direção elétrica, ar-condicionado, vidros com acionamento elétrico, rodas de liga leve, freio de estacionamento com o sistema “Hill Assist”, sensores na dianteira e na traseira (“Park Pilot”) e retrovisores externos com ajuste elétrico, aquecíveis, com luz de seta integrada (side blinker) e função “tilt down”, sistema de infotainment “Composition Media” com a tecnologia Volkswagen App-Connect, tela de 6,5 polegadas sensível ao toque, controlador eletrônico de velocidade de cruzeiro, sensor de chuva, sistema coming&leaving home, retrovisor interno eletrocrômico e na versão mais cara ainda “Discover Media”, com navegação via satélite e teto solar.


E agora vamos para o teste de pista! A intenção é mostrar o desempenho e segurança que o carro oferece em condições de piso molhado e seco, os exercícios consistiam em aceleração de zero ao limite em piso seco, passando para molhado, frenagem brusca, aceleração em círculo com piso úmido sem usar os freios, slalon com cones posicionados a 15 metros de distância e redução brusca, forçando todos os sistemas de segurança e dirigibilidade a funcionarem simultaneamente.


Na primeira parte, logo de cara, dá pra sentir a força do motor turbo, o carro logo atinge uma velocidade alta e atravessa a cortina de água com muita facilidade. A freada forte no fim da reta demonstra que o sistema ABS segura o carro com muita facilidade e em distância muito curta, é ir de 100 km/h a zero em questão de pouquíssimos metros.


Acelerando gradativamente no obstáculo circular, dá pra sentir todos os outros sistemas (ASR, ESC, EDS + XDS, ESC) em nenhum momento deixam o carro escapar, isso tudo sem pisar no freio, apenas controlando no acelerador. Cheguei a atingir a velocidade de 60 km/h e o Golf 1.0 TSI nem deu sinal que gostaria de fazer algo mais rebelde, como sair de frente ou traseira, ficou firme e seguro durante todo tempo.


A melhor parte foi o slalon, feito na velocidade de 70 km/h e com direito a acelerar mais nos dois últimos cones, o carro se mostrou sempre na mão, a direção elétrica é precisa e segura, garante exercícios firmes e absolutamente confiáveis, o carro não se descontrola em momento nenhum e transmite cada vez mais segurança ao condutor. No final, ao descer do carro fiquei pensando: seria esse realmente um motor 1.0? Sim, o Golf 1.0 TSI é surpreendente.


Acompanhe nas tabelas os preços para cada versão e aproveite para fazer um test drive, afinal de contas quando os alemães resolvem fazer alguma coisa muito boa, realmente eles fazem!

Fichas Técnicas

GOLF VARIANT 1.4 TSI


TIGUAN 1.4 TSI

GOLF 1.0 TSI


Itens de Série e Opcionais

GOLF VARIANT COMFORTLINE


GOLF VARIANT HIGHLINE


TIGUAN


GOLF 1.0
Eduardo Abbas. Tecnologia do Blogger.