FÓRMULA 1: Grande Prêmio da China

A Equipe Renault Sport de Fórmula 1 não conseguiu avançar no movimentado Grande Prêmio Pirelli da China de Fórmula 1

Texto e fotos: Renault Sport

Ambos os pilotos terminaram a corrida, mas as posições conquistadas (17º para Kevin Magnussen e 22º para Jolyon Palmer) mostraram que a equipe não estava em condições de rentabilizar seu potencial de performance no Circuito Internacional de Xangai neste domingo.

  • Kevin largou na 17ª posição com pneus supermacios da Pirelli, tendo trocado para pneus macios nas voltas de número 4 e 20, trocando novamente para médios na 35ª volta.
  • Jolyon largou na 19ª posição no grid com pneus macios Pirelli, trocando para pneus supermacios na volta de número 15, depois pneus macios na 24ª volta 24 e, finalmente pneus médios na 38ª volta.

Kevin Magnussen, nº 20, R.S.16-02: Largada P17, Chegada P17 - “Fiz uma prova bem regular. A minha largada foi boa, mas depois não me envolvi muito na ação, apenas ultrapassei os outros pilotos seguindo a estratégia, então ninguém estava brigando para valer. Este não foi um fim de semana do qual possamos nos orgulhar, mas por outro lado temos muito que aprender com ele. Várias coisas ainda não foram compreendidas totalmente e, assim que tivermos feito isso, seremos uma equipe mais forte. Sabíamos que o início seria mais difícil e, por isso, não há motivo para pânico”.

Jolyon Palmer, nº 30, R.S.16-01: Largada P19, Chegada P22 - “Fizemos uma boa largada e uma boa primeira volta, conquistando várias posições. Mas depois a prova ficou mais difícil. Focamos em manter o equilíbrio do carro, pois a deterioração dos pneus foi maior do que o normal e, por isso, o ritmo não foi tão bom como nas corridas anteriores. Precisamos agora analisar os dados;  não vejo a hora de passar para a próxima corrida”.

Fred Vasseur, Diretor de Competições - “Foi uma corrida difícil para a equipe e apanhamos muito com a deterioração dos pneus. O Kevin teve a desvantagem de ter corrido pouco em pista seca, o que resultou em menos tempo para se adaptar, dificultando a gestão dos pneus durante a prova. Já o Jolyon largou com pneus macios e optamos por não chamá-lo aos boxes durante a intervenção do carro de segurança. Infelizmente, ele teve grandes dificuldades para aquecer estes pneus depois, fazendo com que perdesse várias posições; a mudança para uma estratégia de quatro paradas resultou em muito tempo perdido nos boxes. Vamos averiguar por que perdemos tanta temperatura dos pneus e performance após a atuação do carro de segurança. Agora, precisamos focar no próximo Grande Prêmio e continuar a aprender, trabalhar duro e melhorar nosso resultado”.
Eduardo Abbas. Tecnologia do Blogger.