COLUNA SÉTIMA ARTE: O preço do sucesso

No melhor momento da vida ela resolve te cobrar uma promissória que não faz parte de seu orçamento

Texto: Eduardo Abbas
Fotos: Warner Bros. Pictures

Todos nós pagamos um preço por ter e usar a vida que conhecemos, o espiritismo explica isso como a Lei de Causa e Efeito, a nossa passagem por este plano é uma sucessão constante de acontecimentos, de encontros e desencontros, de situações aparentemente inexplicáveis, diante das quais, muitas vezes, sentimo-nos como vítimas diante de um carrasco implacável, impotentes diante de um destino cruel e irracional.


Isso às vezes acontece em situações de extrema euforia, logo vem seguido de um imensurável pesar, o que a maioria faz é arrastar vítimas inocentes para o buraco que está cavando para si, aliás, brincar de ser um tatu nesse momento só vai trazer mais problemas que soluções.


Estréia hoje no Brasil um filme que trata desse sofrimento que se coloca diante de pessoas que estão vivendo o melhor momento da vida, em Beleza Oculta (New Line Cinema, Village Roadshow Pictures, Anonymous Content, Overbrook Entertainment, PalmStar Media, Likely Story, Warner Bros. Pictures) o sentimento de dor e perda se mistura ao capitalismo selvagem e ao mesmo tempo às almas que orbitam a vida de quem está inerte ao momento.


No roteiro de Allan Loeb (Wall Street: O Dinheiro Nunca Dorme, Quebrando a Banca) o drama vivido pelo personagem central tem relação quase direta com a vida pessoal do ator principal. No filme, um bem-sucedido executivo da publicidade (Will Smith, que recentemente perdeu o pai, diz que conseguiu superar a dor com a atuação nesse filme) de Nova York sofre uma grande tragédia e se isola de tudo. Enquanto seus preocupados amigos tentam desesperadamente se reconectar com o executivo, ele procura respostas do universo escrevendo cartas para o Amor, Tempo e Morte.


Na verdade é uma forma meio mesquinha e individualista de mostrar como diferentes pessoas reagem e se comportam diante de uma tragédia, geralmente elas se esquecem que, dependendo do grau de importância que tem neste plano, outras almas e corpos dependem de sua continuação ou não na trilha que escolheu seguir, afinal existem vários tipos de tragédia e a do vizinho pode ser até pior que a sua.


A direção de David Frankel (Marley & Eu, O Diabo Veste Prada) é correta, tem momentos de pieguice, faz piada com alguns elementos sem cair no ridículo, mas na verdade parece mais estar preocupado em agradar o protagonista do que retirar do estrelado elenco que têm Edward Norton (Birdman ou A Inesperada Virtude da Ignorância), Keira Knightley (O Jogo da Imitação), Michael Peña (Perdido em Marte), Naomie Harris (007 Contra Spectre), Jacob Latimore (Maze Runner: Correr ou Morrer), as espetaculares Kate Winslet (Titanic, Steve Jobs) e Helen Mirren (A Rainha, Trumbo – Lista Negra) o que podem oferecer de melhor em atuações menos burocráticas.


Essa análise que fiz é baseada na perda recente de um amigo que cumpriu sua missão neste plano, ele foi uma das vítimas no desastre com o avião que levava o time da Chapecoense para a disputa na Colômbia. Teve sua passagem abreviada de forma brutal, claro que a tristeza da perda é insuperável, mas aqueles que aqui ficaram precisam de toda atenção que pudermos dispensar e é nesse sentido que a nossa missão continua, cuidar é preciso!


Você tem que assistir Beleza Oculta com a alma calma e o entendimento de que a vida continua e seguir em frente é necessário, as pessoas que nos deixaram são pontos no céu, estrelas que brilham e que representaram uma parte importante nas nossas vidas, esse filme pode não ser a melhor produção do ano, mas certamente é uma ótima mensagem para quem não vai encontrar esse alguém quando procurar, afinal, nunca mais é muito tempo...


A gente se encontra na semana que vêm!

Beijos & queijos
Eduardo Abbas. Tecnologia do Blogger.