INSTITUCIONAL: AEA faz balanço de 2016

Importantes projetos e homologações fizeram parte deste ano recessivo que passou a indústria

Texto: Eduardo Abbas
Fotos: AEA

Não foi um ano fácil pra ninguém, principalmente quando se trata de investir em pesquisa e desenvolvimento, esses que são segmentos diretamente ligados à mobilidade. Anos atrás, poderíamos ter um corte nesse tipo de atividade, claro, se eu não vendo, por que vou tentar melhorar? A consciência é outra, finalmente todos entenderam que, mesmo na crise, as soluções mais baratas serão aquelas mais modernas.


Em números ainda provisórios, 2016 vai apresentar uma queda de aproximadamente -16% nas vendas e licenciamentos de veículos, um número baixo se comparado com os anos de 13/14. Mesmo assim, a AEA fecha o ano com importantes resultados, entre eles o Manual de Auditoria do Inovar Auto, os dados de melhora da eficiência energética e agora iniciou o estudo sobre o uso de células de combustível (hidrogênio) nos automóveis.


Uso do farol baixo nas estradas durante o dia
Esse talvez tenha sido um dos pontos mais polêmicos do ano, em conjunto com o DENATRAN / CTAV, a AEA concluiu que a norma contribui de forma contundente com a segurança nas rodovias, não só para pedestre como também para os motoristas dos outros carros, fica evidente que a visibilidade de aproximação de outro veículo fica facilitada. O estudo provou também que, em alguns modelos que já possuem o acessório, as luzes diurnas (na maior parte de LED) substituem com a mesma eficiência ao uso do farol baixo, portanto, carros que possuam esse tipo de iluminação não necessitam trafegar com os faróis ligados.


Também em conjunto com o DENTRAN / CTAV, se provou a eficiência do controle de estabilidade (ESC) em veículos leves e pesados, sendo que deve ser item obrigatório na frota brasileira. Perguntei ao Edson Orikassa, presidente da AEA, lembrando a coletiva do ano passado, que você pode relembrar aqui, “esse sistema terá a opção de ser desligado pelo condutor?”
Segundo o Edson, “sim, o condutor poderá desligar o sistema, até porque em situação de atoleiro, por exemplo, ele se torna ineficaz e dificulta a saída da situação, é necessária a opção de desligamento, a nossa norma é baseada na européia que permite tal operação”.

As motocicletas não foram esquecidas
Também visando a segurança pessoal do motociclista e dos outros condutores de veículos e pedestres, foi criada a Comissão Técnica de Segurança de Motos que entre seus pareceres incluem a utilização em todos os modelos do sistema de freios com ABS / CBS e um novo tamanho de capacete (maior) para ser homologado, esse assunto está nas mãos da ABRACICLO para apreciação e parecer.


Junto ao CONTRAN, está em discussão uma regulamentação sobre a vestimenta que deve ser utilizada pelo motociclista, visando a segurança pessoal do condutor e facilidade de visualização de pedestres e motoristas.


Combustíveis alternativos
Uma cartilha sobre o manuseio de biodiesel está em fase de aprovação pelo ANP assim como o aumento do combustível no Diesel normal e a implementação do programa PCVE que visa a melhoria da qualidade do ar nas cidades por meio de medições e simulações.


ARLA 32
Infelizmente o brasileiro sempre procura uma forma de burlar algumas legislações que visam melhorar a vida das pessoas. O ARLA 32 tem como objetivo minimizar o impacto no meio ambiente com a queima do Diesel, isso encareceu a manutenção dos caminhões e alguns motoristas optaram pela burla do sistema. A PF em conjunto com o IBAMA com suporte da AEA realizou inspeções em veículos nas estradas procurando comprovar a utilização regular ou a burla do sistema. Trata-se de um crime federal e para que tudo esteja absolutamente claro, foi elaborada uma Cartilha De Conscientização Pública, que você pode ler e baixar aqui.
Eduardo Abbas. Tecnologia do Blogger.